O Pensamento Composto no planejamento estratégico das organizações.

“O que é realizado com sucesso é fruto do que é imaginado com sucesso”.
Dr. Sérgio Spritzer - veja o currículo completo.

Todo o início de ano as empresas fazem o seu planejamento estratégico.  Muitos conteúdos são analisados, colocados em gráficos e planilhas e esses dados são projetados em uma linha de tempo.

 

Através desses dados, as pessoas imaginam como a visão e a missão da organização pode ser realizada, quais os desafios e como lidar com eles.

 

Será que isso é o suficiente?

Todo conteúdo levantado para o planejamento precisa gerar experiências, que podem ser escritas e descritas no papel, mas precisam ser imaginadas e compostas na mente das pessoas constituindo uma forma unificada de pensar, sentir, imaginar, decidir e agir.

 

O desafio de analisar os dados é compor, com base neles, cenários que possam ser representados e operados como mapas de experiências de realidade para agir no território. 

20130915105716320403e.jpg

O campo da fenomenologia do imaginário se interessa em saber como as pessoas imaginam o que fazem e imaginam-se uma as outras.

 

Ter uma ideia a respeito do que está acontecendo não emerge magicamente da análise de dados e nem é gerada assim por tecnologias criadas pela nossa imaginação.

A realidade das organizações e o conhecimento do imaginário do cliente, interno ou externo, passa, necessariamente, pelo reconhecimento de que temos juntos, um imaginário composto e que precisamos compreender como ele funciona para nossas relações fazerem sentido.

Gostaríamos de colaborar com a melhor gestão da sua organização ajudando a examinar os seguintes

tópicos com a intenção de servir de guia e inspiração para o sucesso do seu empreendimento:

  1. Como o ato de imaginar cria possibilidades e gera os tempos e espaços da mente humana.

  2. Como a linguagem codificada serve ao ato de imaginar.

  3. O sonho como um laboratório de imaginários: passados, presentes e futuros.

  4. Como o ato de imaginar cria e transforma o pensar e o fazer das pessoas e das organizações humanas.

  5. Como o ato de imaginar prepara e precede o realizar. E como ele monitora, verifica e valida o que acontece. 

  6. Como o ato de imaginar abre a possibilidade de criar modelos de realidade e usar esses modelos para lidar com elas.

Nosso Diferencial:

Só com práticas centradas na expansão do pensamento composto, o trabalho organizacional poderá dar conta dos erros de planejamento e execução.

 

A maioria deles poderiam ser prevenidos se os implicados neles tivessem imaginado melhor o que pensavam.  Isso é sinal da falta de prática do imaginário relacional.

A promoção da excelência organizacional e da prevenção de equívocos depende da capacidade de um planejamento rico, bem composto e flexível. Isso só pode haver com um trabalho de imaginação composta como o que propomos.

Enquanto os colaboradores não tenham meios de perceber uns aos outros implicados no mesmo imaginário composto, as palavras de ordem e falas motivacionais vão soar, com razão, como sem sentido ou ironias.

Pretendemos ajudar a expandir o modo de pensar dos colaboradores para o aparecimento de um imaginário composto que seja evidente entre todos e por meio do qual todos se percebem e se sintam pertencendo.

 

Um imaginário composto e aberto à relação com o cliente precisa ser percebido desde fora da organização pelo imaginário do cliente externo, gerando uma experiência de confiança que potencializa o sucesso interno dela.

Marque uma apresentação para conhecer o nosso trabalho:

Após essa apresentação, será ofertada (sem ônus) uma consultoria por cerca de três meses (à combinar) com alguns de seus líderes.

 

Depois de um prazo demonstrativo mínimo para ambos, avaliaremos a validade e pertinência deste trabalho adquirir maior envergadura.

 

Então proporemos uma consultoria em um formato personalizado.