O PENSAMENTO COMPOSTO EM TEMPOS DE CORONAVÍRUS

Atualizado: Mar 30

Estou escrevendo em plena pandemia do coronavírus. Ela, assim com outras endemias e pandemias ao longo da história da vida na terra, nos ensina como uma molécula, relativamente simples pode aniquilar seres complexos sejam eles humanos ou não. Fungos bactérias e vírus pode matar plantas e organismos complexos como os seres humanos e vice-versa. Um fungo matou bactérias que contaminaram uma placa de gel e o pesquisador, Dr. Fleming, por acaso, descobriu a penicilina, o primeiro antibiótico. Com ele o ser humano foi capaz de matar a maioria dos tipos de bactérias da época. Mas houveram mutações e a invenção de novos antibióticos. E assim vai...


O paradoxo da complexidade em um universo sistêmico é justamente o fato de que quanto mais complexos são os seres, organismos e organizações, mais complexa é a mudança para eles se adaptarem às mudanças das formas de vida cada vez mais simples!


Isso vale tanto para uma mutação de uma bactéria, de um vírus, desafiando seu hospedeiro, quanto para a gestão de organizações de trabalho e esportivas: É mais fácil um time (a inteligência composta entre os colaboradores, jogadores) mudar o técnico (o líder) do que o inverso. Funcionário mal preparados para pensar de forma composta, podem detonar uma organização na qual estão implicados. Eles são as fundações da organização. Se não fazem liga (não se percebem uns aos outros) a organização se esvai. E isso está acontecendo nas organizações autocráticas e burocráticas (burrocráticas).


O modo composto de perceber, compreender e agir vale tanto para um físico nuclear explicar o que descobriu para a maioria da população e mesmo para muitas de seus colegas como foi o caso de Einstein, quanto para uma sociedade humana globalizada descobrir e executar estratégias contra a disseminação de um vírus. Uma mutação para o vírus parece ser relativamente simples diante das mudanças compostas entre os campos da saúde pessoal e coletiva, economia, finanças, logística e transporte e saneamento básico, comercio, indústria e assim por diante.


Decretar o isolamento social é fácil. Depende de uma imposição de uma autoridade central. O problema é saber porque, como, quando e com quem especificamente.


O desafiador é oferecer condições de acesso imediato à alimentação, saúde e segurança para todos que entram em isolamento. Isso não se faz simplesmente dando dinheiro as pessoas menos favorecidas. Não basta gestos simplórios de caridade como doar dinheiro e mesmo alimentos. É uma questão em comum, de estado e não um ato de caridade. Isso implica em pensarmos todos, governantes e cidadãos, ricos ou pobres, de direita ou esquerda, de forma composta entre si . Estamos todos, no mesmo barco. O planeta terra. A inteligência precisa ser global, sistêmica, se a disseminação do vírus é global. Simples assim.

Assim como não é inteligente os pais ajudarem filhos ao ponto deles passarem a viver da mesada e não empreenderem para um projeto de vida próprio, não é inteligente simplesmente dar dinheiro e mesmo alimentos aos menos favorecidos. É preciso ajudar as pessoas a se ajudarem. Isso é que vale, nas relações humanas. Dar e receber como simples sistema de trocas não é suficiente. É preciso compor os intercâmbios em um sentido maior e em comum. Sem troca de favores, simples compaixão, caridade, sem “obrigados” e “ de nadas” automáticos, ditos de forma simplória ( sem um sentido maior implicado)...

Ajudar as pessoas a se ajudarem é uma ação de pensamento composto: eu ajudando você e você me ajudando resulta na composição das nossas ajudas em uma forma de ajuda composta de uma ordem superior do que simplesmente a retribuição. É o famoso “jogo do ganha-ganha”, no qual ninguém sai derrotado. No modo composto ó jogo não é derrotar o inimigo e sim compor ideias, sentimentos, percepções e criar cenários compreensíveis de tomada de decisão no qual todos estão implicados e percebem o sentido de cada um com cada outro.


Quando um time funciona dessa forma não há heróis nem bandidos. Não existe um determinado melhor jogador em campo que “causa” a vitória. É a inteligência composta que vence o desafio. Como no lema dos três mosqueteiros: um por todos e todos por um. Parte e todo são interdependentes. Se compõe.


Inteligência composta é diferente de “O jeito como todo mundo pensa”. Pode juntar a maioria de opiniões e isso não prova que se a maioria pensa então ela está certa. Você pode concordar ou discordar de outros, votar a favor ou contra, ser maioria ou minoria. Pode juntar um monte de palavras e isso não é um texto, um monte de folhas de papel e isso não é um livro.


Um político pode ganhar pela maioria, mas tal maioria não é uma composição de modos de pensar de cada um com cada outro. “A voz do povo é a voz de D’eus” quando é composta e não juntada, forçada por uma maioria. Com o tempo tal maioria dá errado por não ser o resultado de uma inteligência composta. Observem as diferentes ditaduras da maioria seja nos regimes ditos democráticos ou não....


Para receber o artigo completo, cadastre-se aqui.

inte.gif