top of page

Somos Inteligências Compostas.

Atualizado: 30 de out. de 2023

© Sérgio Spritzer, 2021


A compreensão de que cada um é ponto de convergência de uma relação com tantos outros pontos como um nós de uma rede de relações humanas muda a compreensão do eu como o da caveira solitária por Hamlet, personagem de Shakespeare: “Ser ou não Ser”, não é a questão. Nem ter ou não ter.


Somos ou não somos uma espécie humana com um senso de coletividade, eis a questão. Se somos pontos de uma rede de implicações entre vários outros, temos a responsabilidade de nos posicionar em face disso. Não estamos sós com o mundo aos nossos pés. Sendo redes em redes, a mudança de cada um não garante a mudança da relação.


O querer pessoal é coletivamente gerado mais do que o sujeito imagina.


__________________________________________________ Quer ter acesso a este texto completo e muitos outros conteúdos em vídeos e textos? Conheça nosso área do assinante: clique aqui para saber como.

WhatsApp
bottom of page